• Bem-vindo/a Convidado

    O ForUMM/For-UMM é um espaço público on-line de debate de temas ligados aos veículos da marca UMM, aberto a todos os interessados que nele queiram participar de acordo com as condições especificadas em Termos e Regras – ver no fim da página.

    Sem registo, não terá acesso à totalidade da informação que consta nesta plataforma!

    Após o registo deverá apresentar-se à comunidade, seguindo as regras apresentadas no momento de se apresentar. Após a aprovação da apresentação estará pronto para participar no ForUMM/For-UMM em toda a sua plenitude.

    Junte-se a nós! Esta comunidade recebe com gosto quem quer participar.

    A Administração, ForUMM.

desabafo

viriato

UMM
Registo
26 Jun 2006
Mensagens
1.174
Localização
-
Boas caros amigos,

Hoje decidi-me a informar a malta, na minha humilde opinião e algum conhecimento de causa, do principal culpado pelo declinio da União Metalo Mecânica, expoente máximo da construção automóvel portuguesa. Obviamente que internamente deverão ter acontecido erros, graves, mas este individuo foi o principal carrasco da UMM, pois como ministro da industria no cavaquismo, comprometeu-se a apoiar com vários milhões de contos a produção do novo protótipo da UMM (existe post no forum), coisa que nunca veio a acontecer, ficando a UMM a arder com a factura da produção do referido protótipo.

É ESTE O TIPO:


mira amaral, ministro da industria na segunda maioria cavaquista

mais desbafos virão, um grande abraço a todos.

 

Nien

UMM
Registo
2 Fev 2007
Mensagens
341
Localização
Portugal
Poix!!!
Eu era "pequenino" nessa altura!
Já li alguns artigos sobre isso, até documentos de trabalho do ministério da economia.

"3.4. O projecto UMM (1977-1993)
Ainda o “futuro flop” de Sines não tinha começado
o seu longo e triste caminho para o insucesso,
constituia-se em Lisboa uma nova sociedade,
denominada UMM-União Metalomecânica, Lda.,
com data de “nascimento” a 4 de Julho de 1977.
O objecto da empresa era, nos termos da referida
escritura, “a indústria metalomecânica, com o
comércio e o fabrico de tudo que a essa indústria
respeita...”, e conduziu a que já em 1978
tenham sido produzidos os primeiros veículos
Todo-o-terreno nas versões CPE e CPL(23).
Tratou-se de facto de uma iniciativa muito voluntarista
dos irmãos José Manuel e João Maria
Baptista da Silva, associados a elementos
do Grupo Espírito Santo que, liderados pelo
Dr. Manuel Ricardo Pinheiro Espírito Santo Silva,
entenderam apoiar o lançamento de um veículo
de nicho que, se devidamente apoiado pelas
autoridades nacionais gestoras de frotas públicas,
poderia ter sido um efectivo sucesso. Com efeito,
a UMM, União Metalo-Mecânica, Lda, constituída
como se disse em 1977 lançou no mercado,
nos cerca de 15 anos de actividade no domínio
da construção e montagem de veículos Todo-o-
-Terreno, cerca de 25 000 unidades(24) .
Qualquer das viaturas que produziu – inicialmente
os modelos CPE e CPL, seguidos do ALTER I e
finalmente daquele que mais aceitação teve, o
ALTER II – cumpriu minimamente os propósitos
do respectivo conceito, devendo-se o seu menor
êxito e o seu insucesso final (cerca de 1995)
– por um lado – ao tradicional alheamento que as
autoridades nacionais (responsáveis por aquisições
frotistas de grandes séries) revelam relativamente
às produções nacionais. Verifiquem-se
por exemplo as viaturas que equipam as forças
armadas dos diversos países europeus e de imediato
ressalta a prioridade e preferência concedida
às de produção local, mesmo que de marca
estrangeira. Mas, existindo marca nacional, em
nenhum caso se encontra essa viatura arredada
das frotas nacionais das forças armadas ou das
polícias e outros entes públicos. Tal aconteceu
também com a UMM que chegou a equipar o
Exército, a G.F., a GNR e até mesmo a EDP. Mas
nem os restantes ramos das forças armadas tiveram
o mesmo pendor, nem a prática prosseguiu,
embora a viatura mantivesse (e até melhorasse) as
características funcionais e de manutenção que
aconselhavam a continuidade da sua utilização.
Por outro lado, modificações drásticas no pacto
social, com afastamento das entidades que
emprestavam à marca uma elevadíssima credibilidade,
aliadas à prevista alteração da motorização
da viatura, e à negociação infeliz (com o
Ministério da Indústria e Energia) de um projecto
em que o respectivo licensor – ou simplesmente
“parceiro de mecânica” – era ocluso (ou desconhecido),
conduziram a UMM para a situação de
inactividade (ou quase) em que se mantém há
anos. Por se ter falado em credibilidade, deverá
acentuar-se que as viaturas foram inicialmente
produzidas e montadas nas instalações da
MOVAUTO (que encerraram em 1992), utilizando
sempre motorizações Peugeot, marca
representada em Portugal pela MOCAR, organização
comercial de grande capacidade e projecção
que é possuída pelo Grupo económico já
referido. Mas a produção chegou a ser efectuada
quer na MOVAUTO, quer em Vendas Novas, nas
instalações industriais da Baptista Russo, onde os
últimos veículos foram montados após o encerramento
da MOVAUTO. As versões CPE, CPL e
Alter I dispunham de motor atmosférico e apresentavam
linhas muito duras e pouco aerodinâmicas(
25), que haviam de “adoçar” com uma
maior utilização da estampagem no ALTER II, em
1988, viatura onde são também introduzidos a
direcção assistida, os travões de disco e a motorização
aspirada. O ano de 1992 deverá ter apresentado
o pico máximo da produção, com 2300
veículos, e 1993 é o palco das últimas montagens,
com cerca de 300/500 ALTER II. A separação
dos interesses do núcleo familiar Baptista
da Silva do Grupo Espírito Santo (via MOCAR),
originou ainda, com liderança deste último, o
lançamento de um modelo metálico em dimensões
naturais e de um protótipo completo do
ALTER IV, viatura modernizada que não chegou a entrar em produção.

O núcleo familiar Baptista da Silva titula uma
candidatura ao Programa de Projectos Mobilizadores
do PEDIP II, com vista à recuperação da
produção da viatura, ensaiando um projecto de
engineering de componentes em cooperação
com o INETI e os respectivos fornecedores.
Este projecto, pesem embora as suas vicissituides
e o seu relativo insucesso, deveria constituir um
caso para estudo, por ser demonstrativo do completo
alheamento das autoridades nacionais
(industriais e outras) relativamente a uma iniciativa
meritória a todos os títulos, relativamente à
qual nunca foi desenhada superiormente uma
política de preferência que viabilizaria a existência
e a perenidade de uma viatura nacional catalisadora
de actividades interessantes de I,D & D,
nomeadamente."

In A História do Sector Automóvel
em Portugal
( 1895- 1995)
Luís Palma Féria

Apesar de alguém que esteve ligado ao Dep. Comp. UMM me ter transmitido que pesou nessa decisão do Estado a falta de qualidade dos componentes dos UMM's fornecidos (cablagens eléctricas...)

Sou um jovem ainda(pelo menos é o que dizem, he he), e bastante doido por sinal!!! E conto um dia realizar grandes sonhos envolvendo a minha grande paixão por TT, UMM's, sector automóvel em geral.

Na minha opinião: na sociedade em que vivemos não é possível a existência de projectos que dependam maioritariamente do Estado, nem de nenhum organismo público. É bem mais dificil desta forma, mas a médio, longo prazo mais estável. Auto-sustentável é a palavra indicada, creio. Temos grandes exemplos disso cá, pequenas empresas que lideram/batem-se a nível mundial e não têm,nem tiveram qualquer apoio do estado, errado? Sim! Mas são projectos que têm "pernas para andar"! A meu ver o projecto UMM dependia muito das entidades estatais, o maior comprador, esse factor foi o que fez perdurar o projecto tanto tempo, mas também, o que acabou com ele!
Na minha "débil" imaginação, creio ser possível agarrar no que está feito e viabilizar o projecto, é dificil, é de doidos, é preciso investidores, SIM! Mas nós somos Portugueses para nós impossível é o céu nos cair em cima da cabeça!

Uma coisa vos garanto os UMM's estão adormecidos, não mortos!!!

Desculpem ser um post tão longo, mas quando se fala das grandes paixões, acontece...

Cumprimentos,

Daniel Filipe Suzano

PS: Viriato desculpa se te "estraguei" o tópico!


Sou louco, por UMM's!!!
 

Nien

UMM
Registo
2 Fev 2007
Mensagens
341
Localização
Portugal
Caros,
Desculpem, não é que seja "masoquista", mas gostava de ler criticas ao meu post anterior.
Boas, más, construtivas, destrutivas... interessa é ouvir opiniões! E as vossas são importantes!
Só se for pra me chamar maluco é que num vale a pena, já que é um dado adquirido! he he!

Cummprimentos,

Viriato, mais uma vez desculpa! Não sei se era este o propósito do teu tópico: informar e ouvir opiniões.

Sou louco, por UMM's!!!
 

PedroUMM

UMMzão
Registo
31 Mar 2006
Mensagens
3.236
Localização
-
Daniel tu és doido:D

Mas tens razão, o estado suporta empresas apenas para conseguir ganhar alguma coisa e normalmente o maior polo de interesse para o estado são as grandes empresas de contrução. Não sei se conhecem a história, mas cá vai:


"Um autarca lança um concurso público para a contrução de uma estrada, sendo que 3 grandes empresas do sctor responderam ao dito anuncio. Uma empresa espanhola apresentou um orçamento de 3 milhões de euros, um consórcio Norte Americano apresentou um orçamento de 4 milhões de euros e um empresário português apresentou um orçamento de 9 milhões de euros.

O presidente da câmara pede uma entrevista às três empresas e obtem a seguinte resposta:
Espanhol
-O nosso orçamento inclui um pavimento de qualidade e toda a sinaletica da infraestrutura.
Americano
-O nosso orçamento inclui um pavimento da melhor qualidade e todos os arranjos urbanisticos envolventes à infraestrutura.
O Tuga
-O meu orçamento inclui 3 milhões para o senhor presidente, 3 milhões para mim e 3 milhões para o espanhol fazer a estrada."


Claro que isto é um pouco exagerado, mas retrata bem o panorama da politica portuguesa em relação aos investimentos do governo para as industrias inovadoras de origem portuguesa.


Abraço

P.S. Desculpem o "off-topic".



Pedro
I say no matter how i try, i realise there's no reply
 

Nien

UMM
Registo
2 Fev 2007
Mensagens
341
Localização
Portugal
Pedrumm como já disse esse é um dado adquirido.:D:D:D
Mas ainda há alguém que não acredita, eu é que não sei onde está! :D

Agora mais a sério, a ideia não é lançar a discórdia nem "batermos" nos nossos "estadistas", o tópico num é meu, mas acho que era uma ideia agradável ouvir a opinião de todos vós sobre o percurso da UMM, empresa portuguesa construtora de automóveis 4x4.

Todos nós teremos opiniões diversas sobre assuntos de empresas, desde a gestão aos processos de fabrico; e acho que todas devem ser ouvidas.

A ideia que tento lançar não é a de desatarmos a dizer mal do que quer que seja, mas sim "opinar-mos", sobre o percurso da empresa que construiu algo de único no mundo, "os nossos meninos" e não só conseguiu criar um mito que, mesmo que eu não consiga realizar as minhas "pancadas pessoais", perdurará durante muitos mais anos!

Todos os que lerem, devem estar a pensar que sou maluco, que dou grandes secas e que vivo num mundo de sonhos, de certeza que têm razão!:D

Mas a vida ensinou-me que a determinação e a união são capazes de fazer milagres juntas, talvez eu seja um tipo cheio de sorte e nesse sem número de situações apenas tive sorte, eu acredito que para sermos bem sucedidos no que quer que seja temos de nos empenhar e lutar, desistir não está no meu dicionário!

Gostava de ouvir a opinião de todos vós sobre o assunto, desde o simples utilizador do jipe(como eu), passando por quem esteve ligado ou está à UMM, ao Clube (que valorizo muito o seu trabalho e dedicação), a empresários... TODOS podemos contribuir.


(Espero que depois deste post as pessoas ainda me falem!:rolleyes:)

Bem este foi o meu desabafo!:D Respondam SFF

Sou louco, por UMM's!!!
 

viriato

UMM
Registo
26 Jun 2006
Mensagens
1.174
Localização
-
Boas caros amigos,

Antes demais o tópico não é meu, é do colectivo, e permitam.me dizer que na discórdia é que está a evolução, e mais, acho que à certos estadistas que merecem ser responsabilizados, porque o facto de não serem chamados à razão, é que temos o país governado desta maneira.
Já agora, em 1997 ou 98 se não estou em erro, a UMM sofreu outro grande revés, ao perder para a Nissan um concurso publico para fornecimento de jipes para a GNR. A UMM contava e esperava veementemente que, com o concurso ganho, poder revitalizar a empresa. Mas em termos de concurso publico, se foi honesto não há nada a dizer, simplesmente lamentar.
Um grande abraço a todos.

 

PedroUMM

UMMzão
Registo
31 Mar 2006
Mensagens
3.236
Localização
-
Acho que toda a gente sabe quem é o principal investidor da Nissan em Portugal. Para quem não sabe deixo uma pista: Já andou muito de UMM.


Pedro
I say no matter how i try, i realise there's no reply
 

viriato

UMM
Registo
26 Jun 2006
Mensagens
1.174
Localização
-
Boas

Mas o senhor agora é muito fino, faz-lhe doer as costas.

:D

 
Top Inferior